NOSSO BLOG

PIX – A nova alternativa de pagamento para o mundo atual

No inicio do mês de novembro tivemos uma novidade vinda diretamente do Banco Central: uma nova maneira de fazer transferências e pagamentos, sendo econômica, instantânea, sem limites e que funciona 24h por dia, em todos os dias do ano.

Parece bom demais para ser verdade não é mesmo? Mas acredite, existe! E se chama PIX – Uma alternativa que promete revolucionar a maneira como as pessoas pagam e recebem em nosso país.

Mas afinal, você já usou o PIX? Sabe como funciona? O que é e como isso pode mudar a sua vida?

Separamos esse artigo especialmente para te informar sobre tudo o que você precisa saber dessa nova alternativa de pagamento para o mundo atual.

O que é o PIX e como ele funciona

A novidade PIX começou a funcionar dia 16 de novembro em todo território nacional. Os bancos com mais de 500 mil clientes são obrigados a adotar o sistema de pagamento e transferência.

Muita gente acha que o PIX veio para substituir outras operações envolvendo dinheiro digital, mas na verdade ele vem com uma opção às pessoas físicas e jurídicas.

Ele possibilita realizar transferências de valores entre pessoas, pagamento de contas e até recolhimento de impostos em tempo real, seja entre pessoas físicas ou jurídicas.

É possível, por exemplo, fazer uma transferência ou pagamento por meio de uma conta em qualquer dia e horário, e o valor estará disponível em poucos segundos na conta depositada! Legal né?!

Ou seja, aquela transferência ou pagamento realizado aos finais de semana ou fora do horário bancário, será compensada imediatamente, como já ocorre em transferências entre contas da mesma instituição financeira.

É um novo meio de pagamento que tem como objetivo, baratear o custo das operações de pagamento e transferência, além de reduzir a circulação de dinheiro em papel, o que é mais econômico para o setor e seguro para nós consumidores.

Mas, essa modalidade não é novidade no exterior. Para você ter uma ideia, estima-se que foram realizados mais de 80 milhões de pagamentos instantâneos em 2018. Países como a China e Austrália também fazem uso do método.

Toda essa facilidade, no entanto, pode fazer você se questionar:

O PIX é realmente seguro?

De acordo com pesquisas, as informações dos usuários do PIX são armazenadas em uma plataforma desenvolvida e operada pelo próprio órgão. Além disso, a base de dados será protegida pelo sigilo bancário e pela LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados).

O processo também contará com mecanismos de autenticação, a fim de garantir a identificação de quem paga e de quem recebe.

Mas afinal, o PIX é gratuito?

Sim! Ele não tem custos aos usuários cadastrados em seus respectivos bancos.

Segundo Carlos Netto, CEO da Matera, os bancos estão proibidos de efetuar cobranças de pessoa física nessa modalidade de pagamento. Dessa forma você pode usar sem medo de taxas!

Vantagens

O pagamento digital por este meio ocorre em até 10 segundos, o que é bom para comerciantes de maneira geral. Para o consumidor, a praticidade entra como um dos principais fatores, já que o pagamento poderá ser feito com o celular. Você não precisará carregar um cartão de crédito consigo.

Além disso, também facilitará a troca de bancos, se você quiser cadastrar seu PIX associado ao CPF em outro banco poderá fazer isso a qualquer hora com poucos toques. Ao tentar cadastrar uma chave associada a algum dado seu o banco perguntará se você quer substituir o vínculo pelo novo banco.

Há ainda outro detalhe. Se a adesão ao PIX for grande e o sistema funcionar, o Banco Central do Brasil pode acabar conseguindo maior controle sobre a circulação de dinheiro, evitando sonegação fiscal.

 

Como o PIX apoia o varejista?

O anúncio do PIX já tem movimentado o mercado financeiro, que precisa se adaptar ao novo formato, a fim de garantir concorrência e não é diferente com o setor varejista, o que mais deve ser favorecido com a novidade.

Isso porque, a solução é um meio de pagamento acessível para quem paga e para quem recebe. Será possível, por exemplo, oferecer um banner com QR Code no qual o cliente só precisará escanear o código pelo aplicativo no celular, digitar o valor a ser pago e fazer a transferência instantânea para a conta do estabelecimento. Ou seja, ele poderá fazer uma compra mesmo que tenha deixado a carteira em casa.

Dessa forma, o PIX tem o potencial de ser uma porta de entrada para acelerar a automatização do setor e reduzir burocracias, além de facilitar a rotina dos consumidores, o que irá estimular o consumo.

É o fim do DOC, TED e maquininhas?

De acordo com o Bacen, não há previsão de que métodos de transferências como TED e DOC ou de pagamentos como a maquininha deixem de existir. A novidade, no entanto, é que essas modalidades de pagamento deixarão de ser as únicas possibilidades: o PIX, portanto, passa a ser mais uma alternativa para transferir e fazer pagamentos.

Dessa forma, o usuário poderá escolher em seu pacote de serviços bancários o método mais vantajoso de acordo com a situação, considerando taxas e condições. 

Por exemplo, se o pacote inclui um número ilimitado de transferências TED e o PIX possui uma determinada taxa, é mais vantajoso optar pela TED, caso não haja necessidade de enviar o valor imediatamente.

O que preciso fazer para usar o PIX?

Para usar o Pix, será necessário que tanto o pagador (quem envia o dinheiro) quanto o recebedor (quem recebe o dinheiro) tenha uma conta em banco, instituição de pagamento ou fintech que foi aprovada na plataforma. A conta pode ser corrente, poupança, de depósito ou até mesmo uma carteira digital.

A instituição pode escolher oferecer a funcionalidade no internet banking, agências, apps no celular e até em lotéricas. Outro ponto importante é que somente os titulares poderão movimentar a conta e realizar as transações via PIX.

Enquanto isso, você já pode realizar transferências TED gratuitas e ilimitadas, pagamentos de conta de consumo e emissão de boletos gratuitos e ilimitados pelo app da Cora. Aproveite!

Como faço transações pelo PIX?

A regulamentação do Banco Central determinou que as transações do Pix poderão ser feitas pelo método tradicional, com a inserção dos dados pessoais do beneficiário, por uma chave de endereçamento ou também por meio da leitura de QR Codes estáticos e dinâmicos. 

Muito legal essas informações não é mesmo?!

Agora que você já sabe como funciona, compartilha essa dica e informação com amigos que ainda não entenderam o PIX!

Estamos aqui para ajuda-los com informações relevantes e verdadeiras.

Fonte:

mundoconectado.com.br

cora.com.br

Share on facebook
Compartilhar
Share on google
Compartilhar
Share on twitter
Twittar
Share on linkedin
Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diogo Sampaio

Diogo Sampaio

Diretor Comercial

Facebook